Principais entidades ligadas ao comércio exterior estão preocupadas com os impactos nos modais, sobretudo no transporte aéreo

Data de Publicação: 2020-03-25

Os impactos que vêm sendo identificados nos transportes internacionais, sobretudo no modal aéreo, podem causar problemas graves no despacho dos medicamentos e aparelhagem técnica contra a Covid-19, assim como de produtos perecíveis. O alerta vem das principais entidades representativas ligadas a setores importantes do comércio internacional. 

Essas entidades são o Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Carga e Logística do Estado de São Paulo (SINDICOMIS); a Associação Nacional das Empresas Transitárias, Agentes de Carga Aérea, Comissárias de Despachos e Operadores Intermodais (ACTC); a Federação das Associações Nacionais de Transitários e Operadores Logísticos Internacionais da América Latina e Caribe (ALACAT) e a Federação Internacional das Associações de Agentes de Carga (FIATA).

O diretor-geral da FIATA, Stéphane Graber, acaba de emitir um comunicado contundente nesse sentido (leia a íntegra abaixo).

No Brasil, Luiz Ramos, presidente da ACTC e do SINDICOMIS (representantes oficiais da ALACAT/FIATA), compactua com os pontos destacados por seu colega, sobretudo no que se refere ao fato de os governos terem a lucidez de compreender o modal aéreo como parte essencial na luta contra a Covid-19 e na reconstrução da ordem econômica mundial.

Esses pontos são:

  • excluir as operações de carga aérea de quaisquer restrições de viagem relacionadas ao novo coronavírus, de forma a garantir que os produtos médicos essenciais possam ser transportados sem interrupções;
  • assegurar que as medidas padronizadas estejam em vigor, a fim de que a carga aérea possa continuar a circular ao redor do mundo com o mínimo de interrupções;
  • dispensar os tripulantes de carga aérea, que não interagem com o público, dos 14 dias requisitados de quarentena;
  • e apoiar os direitos de tráfego temporários para operações de carga, às quais podem ser aplicadas restrições.

Ramos revela que as entidades que preside estão elaborando uma série de propostas para que o Brasil atravesse este momento dificílimo e tenha estrutura para o período de reconstrução, que começará após o final definitivo da pandemia (o qual ninguém sabe ao certo quando será).

O estudo será entregue em breve à Presidência da República e aos principais órgãos intervenientes do comércio exterior, como a ANTAQ, ANAC, ANTT, entre outros.

FIATA - IATA, PARCEIROS-CHAVE NA ADVERSIDADE

COVID-19 IMPACTOS MÉDICOS E ECONÔMICOS

A Federação Internacional das Associações de Agentes de Carga (FIATA) e a sua Federação Nacional de Membros da Associação que estão no centro do gerenciamento da cadeia logística e de abastecimento do comércio internacional, continuam a apoiar iniciativas para conter a propagação do Covid-19. Neste tempo todos os meios de movimentação internacional de bens no comércio têm sido impactados. No entanto, o frete aéreo é provavelmente um dos principais meios de transporte de carga internacional que tem sido mais dramaticamente impactado pelas restrições do governo e pelos embargos noturnos a movimentação de pessoas através das fronteiras, com cancelamentos diários de voos e frotas próximas de estar totalmente em solo.

É comumente entendido que o frete aéreo internacional oferece a oportunidade de entregar o conceito de just in time (JIT) inerente à maioria dos modelos de negócio. A interrupção no setor aéreo é agora uma das maiores ameaças para a entrega atempada de medicamentos essenciais e componentes-chave para os setores identificados como vitais para a segurança econômica.

Sobre este assunto, a FIATA registou e apoia a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA). Comunica a imprensa onde os governos parecem não compreender claramente que as decisões a curto prazo irão exacerbar a capacidade imediata e de curto prazo das economias para o desafio da contenção Covid-19 e depois a reconstrução econômica. Quanto a essas duas necessidades críticas, a carga aérea é vital na entrega de ajuda emergencial, infra-estrutura técnica médica, compondo e mantendo as cadeias de fornecimento globais funcionando com a intervenção do JIT. Tal entrega tem sido tradicionalmente feita através de aeronaves de carga dedicadas e da utilização da capacidade máxima em avião de passageiros (porão). Com as aeronaves de passageiros agora tendo o acesso transfronteiriço negado, a capacidade de retenção do porão diminuiu significativamente, as taxas tornaram-se exorbitantes e os fornecedores, através dos seus parceiros transitários internacionais, procurando agora fazer circular as mercadorias através de outras cadeias logísticas comprometidas.

Como o frete aéreo internacional é fundamental para o transporte de mercadorias perecíveis, com curto prazo de validade e suprimentos médicos, é hora de todos os governos abordarem decisões que são contraproducentes para a luta de Covid-19.

FIATA toma nota do comentário do Diretor Geral e CEO da IATA para o efeito:

"Mais de 185.000 voos de passageiros foram cancelados desde o final de janeiro, em resposta às restrições de viagem do governo. Com isto, a capacidade de carga vital desapareceu quando está mais urgentemente necessária na luta contra a COVID-19. A frota mundial de aviões de carga foi mobilizada para suprir esta falta de capacidade. Os governos devem tomar medidas urgentes para garantir que as linhas vitais de abastecimento permaneçam abertas, eficientes e eficazes".

A FIATA também apoia os comentários objetivos da IATA de que os governos devem ver a carga aérea como uma parte essencial da luta contra a COVID- 19 e da futura reconstrução econômica e tomar o as seguintes ações:

• Excluir operações de carga aérea de quaisquer restrições de viagem relacionadas com a COVID-19, para garantir que produtos médicos essenciais possam ser transportados sem interrupções;

• Assegurar que as medidas padronizadas estão em vigor para que a carga aérea possa continuar a circular ao redor do mundo com o mínimo de interrupções;

• Dispensar os tripulantes de carga aérea, que não interagem com o público, dos 14 dias requisitados de quarentena;

• Apoiar direitos de tráfego temporários para operações de carga onde podem ser aplicadas restrições.

A FIATA também vê mérito no pedido da IATA aos governos e operadores aeroportuários para abordar o impacto das suas medidas fiscais e impedimentos econômicos, tais como o excesso de taxas de sobrevoo, taxas de estacionamento e restrições de slots para apoiar as operações de carga aérea durante estes tempos sem precedentes. Esta decisão não só é sensata como imperativa para permitir que a indústria do frete aéreo a se consolide para a reconstrução, pois será o sector do comércio internacional que irá reanimar economias em uma transição ordenada de volta ao comércio "normal".

A FIATA aderiu recentemente ao Grupo Técnico de Ações Conjuntas Relacionadas com a COVID-19 com intervenientes como ICAO, IATA, TIACA, ACI e está procurando trabalhar de perto com a comunidade de transporte aéreo de cargas em geral para preservar um serviço essencial às nossas sociedades e economias em todo o mundo.

A FIATA, em declaração do seu Presidente em 18 de março de 2020, também encorajou todas as Associações Nacionais Membro a assegurar a indústria do frete aéreo internacional (assim como outras modalidades) no seu respectivo país a ser reconhecida pelo governo como uma "categoria especial da indústria" essencial para a recuperação econômica e a intervenção da Covid-19. Incita os Membros a abordar as necessidades atuais e futuras da indústria e da comunidade com o governo.

Para este fim, a FIATA instiga agora todos os governos, através de uma necessidade comum, a implementar plenamente o Acordo sobre Facilitação do Comércio da Organização Mundial do Comércio. A FIATA e suas Associações Nacionais Membros e os membros delas, são a chave para atender a comunidade e as expectativas econômicas nestes tempos desafiadores e a reconstrução para o futuro.

Dr. Stéphane Graber

Diretor Geral da FIATA

Contato

Nosso time está a postos para responder sua dúvida

Rua Avanhandava, 126

6º andar

Bela Vista - CEP 1306-901 - 01306-901

São Paulo - SP

11 3255-2599

actc@sindicomis.com.br

600 Caracteres Restantes

Sua mensagem foi enviada, retornaremos em breve!

Ops. Algo deu errado, tente novamente.