Banco Mundial agradece pela colaboração do SINDICOMIS/ACTC

O Banco Mundial encaminhou ofício ao presidente do SINDICOMIS/ACTC, Luiz Ramos, agradecendo pela contribuição na elaboração do relatório Doing Business 2020, lançado em 24 de outubro. “Estamos muito satisfeitos de poder enviar-lhe uma cópia do relatório em retribuição pelo seu empenho e tempo dedicado ao projeto”, destacou Rita Ramalho, diretora do Grupo Global de Indicadores de Desenvolvimento Econômico do Banco Mundial.

O Doing Business 2020 é o 17º de uma série de relatórios anuais, os quais medem os regulamentos que estimulam ou restringem os negócios. Na seção Contributors do site da instituição, há o registro de agradecimento ao SINDICOMIS/ACTC. O relatório completo pode ser baixado aqui. Rita Ramalho não apenas agradeceu pela colaboração das entidades, como também disse esperar que elas aceitem participar do próximo levantamento, cujos dados serão coletados neste ano.

O ingresso do SINDICOMIS/ACTC como fonte do Banco Mundial ocorreu quando, no dia 16 de abril de 2019, Luiz Ramos e seu vice-presidente, Wilson Braun, receberam em audiência na sua sede, em São Paulo, os analistas Erick Tjong (EUA) e Marion Pinto (Chile). O objetivo do encontro era conhecer a visão das entidades sobre o atual cenário brasileiro, com ênfase no comércio exterior; compará-lo ao que traçaram no ano anterior e, assim, inseri-los no levantamento mundial.

Os analistas do Banco Mundial coletam dados quantitativos, informações e percepções das fontes que selecionam. Assim, ao ouvirem as impressões dos dirigentes do SINDICOMIS/ACTC, puderam conhecer detalhes de diversos temas ligados ao comércio exterior brasileiro. Uma das observações mais contundentes feitas por Braun e Ramos foi sobre a anomalia existente somente no Brasil: o fato de, diferentemente do restante do mundo, não haver um único despachante aduaneiro na cadeia exportadora.

Informações como estas permitiram que a mais recente edição do Doing Business registrasse 294 reformas regulatórias – sendo que, a nível global, 115 economias introduziram reformas que facilitaram as atividades das empresas.

Nas áreas analisadas pelo Doing Business 2020, as economias que mais avançaram são a Arábia Saudita, Jordânia, Togo, Bahrein, Tajiquistão, Paquistão, Kuwait, China, Índia e Nigéria. Estes países realizaram um quinto das reformas ao redor do mundo entre 2018 e 2019.

As economias na África Subsaariana e na América Latina e Caribe continuam a realizar menos reformas do que nas outras regiões. Somente duas economias na África Subsaariana se encontram entre as 50 com as melhores classificações quanto à facilidade de se fazer negócios, enquanto nenhuma na América Latina e Caribe faz parte deste grupo.

Quem tem uma alta pontuação no Doing Business tende a possuir níveis mais altos de empreendedorismo e menores índices de corrupção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Associe-se

Filie-se

Dúvidas?

Preencha o formulário abaixo e nossa equipe irá entrar em contato o mais rápido possível!